Resenha Orgasmos Fatais - Fernanda Borges - Parceria

Sinopse: 
Até que ponto as tentações podem mascarar a verdade? Até que ponto o amor pode se transformar em ódio? Até que ponto o prazer se transforma em dor? Mariana é uma bela mulher, que é assassinada brutalmente em seu apartamento. Daniela, igualmente linda e sexy, porém insensível e sarcástica, é apontada como autora do crime por familiares da vítima. A razão seria a rivalidade pública entre ambas, cujo pivô é Rodolfo, noivo de Mariana, jornalista e advogado influente na política, um homem calculista e ex-amante de Daniela. Douglas é o policial civil encarregado das investigações, mas apesar de sua experiência em desvendar os mais nebulosos homicídios, se vê envolvido em uma rede de manipulação, onde o bem e o mal se confundem e as pessoas demonstram que nem sempre são o que aparentam. Policial e suspeita sentem uma mútua e tórrida atração; e ele luta para que seus sentimentos e desejos não o impeçam de cumprir o seu dever. Sexo, relacionamentos explosivos e morte caminham de mãos dadas neste suspense policial, que prende a atenção do leitor do primeiro ao último capítulo.

São as perguntas que movem o mundo, não as respostas. E é de muitos questionamentos que este livro é feito. Quem fala a verdade merece castigo? O quanto você está preparado para cometer um crime?

Não se deixe enganar pelo título!

Apesar de não ser um thriller de um fôlego só, tem um bichinho nele que faz você voltar toda hora para saber o que vem a seguir. Muita ação acontece em vários capítulos, com direito a ameaças, perseguições, tiroteios. É um livro que não permite que o leitor descanse por estar chato ou morno.

O cenário da trama se passa no Rio de Janeiro, onde várias paisagens, já comuns até para quem não é carioca ou nem conhece o Rio, estão presentes tecendo um belo pano-de-boca para uma história que vai contrastar pesadamente com a beleza do fundo. Assassinato, estupro, pedofilia... pode escolher. O sexo é uma rotina do livro – ele é presente, mas não da forma que se sugere no título, que na verdade se revela uma surpresa interessante. Ele existe lá da mesma forma que existe no nosso cotidiano; nem sempre para a gente, mas sempre em algum lugar.

A autora, Fernanda Borges, em seu livro de estreia – um romance estilo neo-noir*, com a presença da femme fatale Daniela Vidal -, pode nos passar uma ideia bem realística de como é o trabalho em uma delegacia de polícia e como é a relação humana dos policiais ali presentes, revelando suas angústias, seus desagrados, suas ambições, suas apatias, tudo. Apesar da quantidade de termos jurídicos – inerentes à lida – eles são totalmente oportunos e não-maçantes. Os primeiros capítulos tenderam um pouco ao exagero e à correria, mas a partir da metade da história – por volta do capítulo 8 – temos uma grande mudança em relação à narrativa, com um texto mais fluido, mais humano e menos técnico (menos juridiquês), o que eleva grandemente a qualidade da obra. Todo o contexto é bem explorado, os personagens fazem com que sintamos amor ou ódio por eles (ou mesmo indiferença); enfim, cada um vai achar seu ponto de encontro naquelas linhas.



Para quem estuda os elementos de escrita, verá que existe a presença de todos (ou quase) eles ali, seja na construção dos personagens, nos pontos de virada, nos ambientes, na distração do leitor do ponto-chave através de um recurso simples (que ele se pergunta no final: “Por que eu não pensei nisso?”), mostrando uma competência há muito sumida de algumas obras que vemos por aí. 

Pela primeira vez, eu tive acesso aos personagens através do book trailer no Youtube. É um recurso cada dia mais utilizado por autores e editoras para chamar o público e funciona bastante. Ajuda também ao leitor, na hora de montar a figura dos personagens na cabeça. Eu particularmente, gostei bastante! Tem os que prefiram deixar a imaginação correr solta, sem os aparatos tecnológicos. É só uma questão de gosto! Você pode ver o book trailer deste livro aqui 

Para resumir, vale muito apena ler, sabendo que ainda teremos mais de Douglas e Daniela nos próximos livros. Uma história que faz com que o leitor caia em armadilhas o tempo todo e com certeza, você vai adorar!


* Tanto na literatura quanto no cinema, tudo o que usa tais elementos do noir em época moderna é chamado de neo noir. Um exemplo é o filme Instinto Selvagem. O noir é caracterizado pelo período pós recessão EUA – 1929 e tem a presença da femme fatale, policiais ou investigadores particulares não muito corretos, pessoas que bebem e fumam, sexo etc.




Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...