Livros para abandonar (ou quase!)


Este post vai ser polêmico, eu sei. Ele é tão opinativo quanto um sobre livros imprescindíveis. Mas é uma opinião. Só que negativa. Toda vez que eu abro um livro, eu sei que o autor teve o maior trabalho para escrever aquilo que está nas minhas mãos. Não é fácil! Mas também eu sei que um livro precisa pegar a gente pela sinopse e pelos primeiros capítulos e esta não é uma tarefa fácil.



O fantasma de Stálin – Martin Cruz-Smith


A promessa do livro era ser tão bom quanto o primeiro do autor – Mistério no Parque Gorky – mas o que aconteceu foi um livro de trama sem sentido. Muita informação sem ação – nenhuma ação – só conversas. Quando finalmente acontece um assassinato, existe um jogo de ego tão grande envolvido, que a gente não consegue entender nada daquilo; tudo parece estar sem propósito e, mesmo eu tendo lido até a página 67 – não consegui me empolgar. Então, vai para a venda de final de ano. Vai que alguém consegue tirar dele algo que eu não consegui? Sem chance de ter uma segunda chance...

Bônus: fui procurar na internet alguém que tivesse resenhado para ver se não era implicância minha e... bam! A única que eu achei também foi de decepção!

Sinopse
O fantasma de Stálin parece vagar pelos corredores escuros do metrô de Moscou. Há testemunhas de sua aparição, e os rumores começam a se espalhar, disseminando inquietude pela cidade. A tarefa de resolver o estranho caso é de Arkady Renko - apresentado ao leitor em Parque Gorki - que não está disposto a acreditar em sobrenatural. Para ele, o fenômeno tem todas as características de um teatro montado para fins políticos no qual o objetivo seria reacender uma nostalgia latente em todo o povo russo. Na busca pela verdade, Renko descobrirá segredos sobre a Segunda Guerra Mundial que muitos estão dispostos a proteger.


Ritual – Mo Hayder



Esse aí eu ainda vou dar uma chance para ele, mas que começou bem devagar e nem o livro começando com uma mergulhadora encontrando uma mão no mar, deu pra engrenar. Mas vou ler mais pelas críticas. Vai que é só um mau começo? Ao contrário do anterior, esse tem ótimas críticas e talvez tenha sido eu, em um momento não muito propício, que não tenha entrado no estado de espírito do livro. Pelo que eu entendi, é o terceiro livro com o policial que vai de Londres a Bristol para ajudar na investigação – Jack Caffery. Se alguém já leu, por favor me dê uma ajudinha!

Sinopse

Pulga é uma mergulhadora profissional que trabalha para a polícia. Certa manhã, ela encontra na água, sob o porto flutuante de Bristol, uma mão humana. O mais surpreendente, porém, é que os investigadores logo descobrem que o homem a que a mão pertencia ainda está vivo, e desaparecido. Na busca para resolver o mistério, o leitor é levado pelo submundo da cidade, onde reinam vícios e estranhos rituais.




Os relógios – Agatha Christie




Não joguem pedras! Eu já cansei de dizer o quanto adoro Agatha Christie, mas isso não significa que amo todos os livros dela incondicionalmente!

Este em especial é bem chatinho. Eu já o li inteiro e digo que é um dos mais sem graça dela. A gente lê pois, como é de alguém que a gente adora, sempre dá uma chance. Mas esse não vale a pena. Não é horroroso, mas é sem-sal! A sinopse promete, mas é enganação. Nem Poirot salva!


Sinopse

Um homem desconhecido é encontrado morto na casa de uma cega. Na cena do crime, quatro relógios parados na mesma hora: quatro e treze. Sem qualquer pista do assassino ou da identidade da vítima, o detetive Colin Lamb, do Serviço Secreto inglês, pede ajuda a Hercule Poirot. Ao iniciar a investigação, o detetive belga afirma que a solução do crime é muito simples, mas ele logo percebe que o caso é mais complicado do que parece, principalmente quando outros dois assassinatos são cometidos em circunstâncias misteriosas.




Um crime na Holanda – Georges Simenon


Tá, outro autor clássico que eu estou jogando bomba. Eu adoro o Simenon, mas é um livro modorrento. Já tentei duas vezes. Bastante. E mesmo andando a contragosto, não deu para ir adiante. O inspetor Maigret vai à Holanda ajudar um professor francês que está detido na cidade, uma vez que seu anfitrião foi assassinado. O fato de Maigret não falar holandês e ter uma imensa dificuldade de se comunicar parece ter transparecido para mim também. E tem uma neblina o tempo todo, que até sufoca! Sem chance!

Sinopse

Quando chegou a Delfzijl, numa tarde de maio, 'noções básicas' era tudo o que Maigret tinha sobre o caso que o chamava para aquela bonita cidade do extremo Norte da Holanda. Um certo Jean Duclos, professor da Universidade de Nancy, fazia uma turnê de conferências pelos países do Norte. Em Delfzijl, era hóspede de um professor da Escola Naval, o sr. Popinga. Como o Popinga fora assassinado, apesar de o professor francês não estar sendo formalmente acusado, fora solicitado a não sair da cidade e a manter-se à disposição das autoridades holandesas.



E você, tem algum livro que também nos indica a nem começar? Ou discorda comigo em todos eles? Vamos debater!

Abraços literários!

Até segunda!


Comentários
9 Comentários

9 comentários:

  1. Olá :D
    Esse post é bem utilidade pública haha Apesar de opiniões sobre os livros serem bem distintas, pois o livro que eu posso amar você pode odiar. Eu não fui com a cara de nenhum desses ai :p
    Vou até pensar em fazer um post desse lá no blog :D
    Abraço
    http://interessantedeler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Adorei vc dizer que o post é de utilidade pública! hahahaha
      Faz o post sim e depois vem aqui me contar!
      Abs literários!

      Excluir
  2. Raquel, eu nunca tentei ler nenhum desses livros, mas achei a dica válida.
    Eu já tentei ler Agatha, mas abandonei.
    Acho que se não tá fluindo vale abandonar.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  3. Oi Raquel!
    Dos livros indicados eu só li Os Relógios e gostei! hahaha Dos livros da Agatha (que é uma das minhas autoras preferidas) eu só abandonei Passageiro Para Frankfurt. Me deu sono! hahaha
    Abandonei poucos livros nessa minha vida de leitora e entre eles estão alguns livros do Paulo Coelho, A Batalha do Apocalipse (que meu noivo amou, por sinal) e Mar Morto (eu amo os livros de Jorge Amado, mas esse não deu pra mim, foi realmente muito morto).
    Adorei o post, bateu até uma inspiração pra escrever um post parecido.
    Beijos
    Coisas de Meninas

    ResponderExcluir
  4. Oi Raquel!
    Não li nenhum dos livros que você citou, ainda, mas já vou ficar de olho pra tentar não abandonar ou pra nem começar a ler. Gostei desse post e eu indico a nem começar A Lista do NUnca, não fluiu pra mim!
    Beijos

    LuMartinho | Face

    ResponderExcluir
  5. Oii
    Menina deixa eu te falar, eu sei como é isso que vc quis dizer e pra te ser sincera, da sua lista nenhum deles me chamou a atenção ou eu falaria que eu iria ler :/
    Ok talvez o da Agatha Christie, mas nem essa historia me conquistou.

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  6. Raquel, ainda não li nenhum dos livros que você citou. Sei bem o que você quer dizer em relação a Agatha. Sou fã de Sherlock Holmes, acho Sir Arthur Conan Doyle incrível mas o último livro que li achei arrastado.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oiii,
    Bacana o seu post, gostei.
    Estou bem curiosa para ler os livros da Agatha.

    beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi Raquel!
    Eu não li nenhum dos livros que você citou e acho que o da Agatha não vou ler mesmo hahahaha Não sei qual livro eu te indicaria para abandonar ou não ler, mas acho que Fallen, não leia Fallen ahhaha
    Beijos

    Paraíso das Ideias

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...