Resenha: Battle Royale (Koushun Takami)


Battle Royale 
Koushun Takami


Tradução: Jefferson José Teixeira
Editora: Globo Livros
Páginas: 663
Edição: 2014 (a primeira lançada no Brasil)
Sinopse: Battle Royale é uma pulp riff insanamente divertida [...]. Ou talvez só insana. Quarenta e dois estudantes japoneses, que acreditam estar partindo para uma excursão de escola, são largados em uma ilha, equipados com armas, de metralhadoras a garfos de cozinha, e forçados a lutar entre si até que apenas um sobreviva." (Stephen King, Entertainment Weekly)

Ok, não são exatamente estudantes japoneses. São cidadãos de um país totalitário fictício chamado República da Grande Ásia Oriental. Antes, vamos situar nossa leitora e nosso leitor, quanto ao impacto desta obra.

Battle Royale, o livro, foi publicado originalmente no Japão em abril de 1999. Takami, o autor, é formado em Literatura pela Universidade de Osaka, e trabalhou como repórter de política e economia. Deixou o jornalismo para se dedicar à literatura, mas não lançou nenhum outro livro. Sua obra chegou perto de ganhar o prêmio Japan Grand Prix Horror Novel, mas foi desclassificada pelo seu conteúdo violento. O que é um pouco irônico, em tratando-se de um concurso literário do gênero de horror...

No Brasil, somente em 2014 a obra ganhou uma tradução para o português, e foi lançada pela Globo Livros, com um bom trabalho gráfico na capa, folhas amarelas e letras e espaçamento de bom tamanho, para maior conforto do leitor. A obra ainda inclui um mapa da ilha onde se realiza o "Programa". Curiosamente, o filme derivado da obra já tinha sido lançado por aqui, assim como o mangá, editado pela Conrad. Então, faltava mesmo esse clássico moderno para completar a festa dos fãs. Clique aqui para conferir o belo Booktrailer realizado pela editora para promover o livro, que já vendeu mais de um milhão de cópias no Japão.

O aparente fracasso no tal concurso literário se configurou em grande sucesso de público e crítica. O filme, dirigido por Kinji Fukasaku (já comentado aqui no Café com Letras, nesse outro post), ganhou muitos elogios do diretor e roteirista Quentin Tarantino, que curte uma "sangueira". A película ainda ganhou uma sequência, Batoru Rowaiaru 2: Chinkonka / Battle Royale II. Kinji fez questão de não aliviar em nada no filme, definitivamente proibido para menores de 18 anos. De uns anos para cá, o livro ganhou nova repercussão por conta da polêmica envolvendo a saga Jogos Vorazes, de Suzane Collins, que supostamente desconhecia a existência da obra japonesa, embora haja semelhanças claras entre as histórias (acredite, existem até tordos em Battle...).

Mas vamos à história. Qual o motivo de tanto sucesso e polêmica? Bem, a polêmica é até natural. A violência é extrema. Estudantes do final do ensino fundamental, ainda muito jovens, portanto, destituídos de suas famílias, e levados para um verdadeiro campo de extermínio, como demonstração do governo de que "não se pode confiar em ninguém." Demência em estado bruto. O sucesso, por outro lado, creio que decorre da forma como a trama é contada. A violência é pano de fundo para questões políticas e sociais. Dito dessa forma, pode parecer até que o livro trás uma linguagem difícil, mas não. Pelo contrário. O autor é seco e direto na maior parte do tempo. Não se perde em longas descrições, diz o essencial, e cada passagem é um soco no estômago. Os diálogos são críveis, e é possível imaginar as cenas, como num filme. Há um dinamismo que permite que o leitor se "enterre" na história. A vontade é de ler e não parar mais, pois não há quebras de ritmo que atrapalhem a leitura, e o texto é deliciosamente simples.

Claro que é tudo muito insano. Algumas pessoas podem se sentir bastante chocadas. Outras podem rir de nervosas. Não é difícil imaginar... são 42 alunos dentro de um ônibus, achando que estão indo para um acampamento de férias. Subitamente, elas dormem, e só acordam em uma sala de aula estranha, com militares armados à frente. Sabedoras de sua presença no "Programa", que escolhe aleatoriamente uma turma do nono ano do ensino fundamental por ano, os jovens são informados das regras, que são passadas por uma espécie de coordenador. Cada aluno recebe um kit de sobrevivência, e daí para a frente, é guerra total. Nisso, temos conflitos de confiança, pessoas em pânico absoluto, psicopatas saindo do armário, e armas dos mais variados tipos. Desde bestas e armas de fogo, até picador de gelo ou garfo. Alianças são construídas, e seguimos acompanhando a saga de cada um dos estudantes, especialmente da dupla que protagoniza (sem pieguice) a obra: Shuya Nanahara e Noriko Nakagawa. Há ainda outro personagem importante, Shogo Kawada, mas todos os estudantes são mais ou menos citados e trabalhados ao longo da história. A trama é contada sem pressa, mas de forma precisa e segura. Há também uma divertida contagem de cadáveres ao fim de cada capítulo... isso me lembra dos filmes da série Sexta-Feira 13, em que, quando crianças, apostávamos quantas pessoas seriam assassinadas pelo queridão Jason.

A título de curiosidade, eu me deparei com uma resenha em vídeo, de um canal chamado Papo de Estante. A garota fala sobre o livro, e achei bem interessante. Se quiser, confira clicando aqui.

É uma obra de impacto, sem lições de moral, sem aquele estilo megalomaníaco típico de livros (ou filmes) americanos, e mesmo os protagonistas não são tratados de forma tão diferente dos demais. É simplesmente um ótimo relato de um fato específico, em ritmo vertiginoso, o que torna a leitura especialmente gostosa. Por mais que seja uma história chocante, em um primeiro momento, é incrível como você simplesmente se rende à sucessão de fatos, sem traumas nem pesadelos. Até as mortes se tornam banais, pois são muitas ao longo do caminho. É de matar o Martin (Crônicas de Gelo e Fogo) de inveja! E aí, você leu? Gostou? Não curtiu? Conte-nos aqui! Se não leu, comente também, e diga-nos o que você espera desse clássico moderno da literatura!










                                                             

Comentários
26 Comentários

26 comentários:

  1. AMO Battle Royale, já falei do filme no meu blog .É incrível ♥
    http://geekcorderosa.blogspot.com.br/2015/03/conheca-masters-sun-o-melhor-drama-que.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato, tanto o filme quanto o livro são muito bons! :) Obrigado pelo comentário, apareça sempre! :D

      Excluir
  2. A premissa me lembrou Jogos Vorazes, haha.
    Curti muito, apesar de não ser nada do meu estilo de leitura. Mas gosto dessa ideia de 'lute por sua vida'.

    Beijocas,
    http://www.segredosentreamigas.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, lembra Jogos justamente porque JV foi inspirado em BR ahaha :) Bjs!

      Excluir
  3. Oi,
    Tudo bom? Primeiro peço desculpas se já te enviei esse recado, mas como autora iniciante preciso me divulgar. Então meu nome é Raquel Machado sou autora do livro Vingança Mortal e te encontrei lá no blog Canastra Literária. Vi que você se interessou por minha história e gostaria de te convidar a conhecer um pouco mais delas, e aproveitar para dizer que estou com parcerias abertas então se quiser conversar pode mandar um e-mail para "raquel.machado2014@yahoo.com.br". Vou ficar muito feliz em lhe responder.
    Beijos
    Raquel Machado
    Escritora Vingança Mortal
    leiturakriativa.blogspot.com.br/p/vinganca-mortal.html

    ResponderExcluir
  4. Nunca tinha ouvi falar do livro, mas já ouvi falar do filme. Não faz o meu estilo literário então não leria, mas acredito que para quem gosta deve ser imperdível já que fez tanto sucesso no Japão. Mesmo não sendo meu estilo gostei muito da resenha, ótima.

    http://blogquerida.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi Fabiano!
    Já havia ouvido falar do livro, sendo que a trama lembra muito Jogos Vorazes. De início acredito que seja um pouco difícil ver todas essas mortes, mas como são muitas ao longo do livro o leitor se 'acostuma' com as mesmas. Pretendo ler esse livro em algum momento, já que também sou fã de George R. R. Martin e seu estilo assassino.
    Abraços!

    Rafaela, Eterna Leitora.
    www.eterna-leitora.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só não se perca nas contas dos mortos ahahah :) Obrigado pelo comentário!

      Excluir
  6. Adorei seu post!
    Só me deixou com ainda mais vontade de ler esse livro, sério, preciso dele para ontem!
    Que bom que as mortes passam despercebidas pq me choco atoa!

    Beijos e boas leituras!

    http://deixaelaler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, despercebidas é modo de dizer, mas é que são tantas que você já não se choca tanto. Também vai de pessoa pra pessoa. Não indico aos mais sensíveis, mas o texto em si é relativamente leve, de qualquer forma. :)
      Bjos e obrigado pela visita!

      Excluir
  7. Olá,
    Eu comprei esse livro na Saraiva e ainda não chegou, sou DOIDA pra ler essa obra incrível, ainda mais gostando tanto de Jogos Vorazes como eu gosto. Adorei a resenha, estou mega ansiosa pra ler esse livro.
    Beijos.
    Memórias de Leitura - memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Tenho certeza de que irá adorar! :) Bjos e obrigado pela visita

      Excluir
  8. Olá!

    Eu adorei Battle Royale, já conhecia um pouco da história por causa do mangá (eu li o primeiro volume), quando soube do livro, quis logo lê-lo e achei muito interessante. Para mim o livro fluiu rápido, gostei da parte politica, mas o que mais me chamou atenção foi a parte psicológica dos personagens.

    http://refugiorustico.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato, o livro flui muito bem. É enorme, mas nem parece quando você começa a ler. Os personagens são mesmo bem construídos, outro grande mérito do autor :)

      Obrigado pela visita!

      Excluir
  9. Olá como vai?

    Nossa super curtir o livro inteiro começando pela capa , porque gente a capa me deixou com uma boca tão aberta ,kkk .( Normal ) A sinopse também está ótima , já pensou você ficar pressa em uma ilha ? umhhhm , eu achei muita criatividade do autor expressa esse assunto no livro , muitas pessoas detestas , mas como sou tão eclética , simplesmente adoro , porque é bastante louco e divertido rs . Sua resenha esta perfeita também ,bem modesta e legal para entender sobre o que o livro falam , parabéns querida .

    http://garotinhaadolescentea.blogspot.com.br/2015/03/livros-lidos-em-fevereiro.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A história é mesmo insana ehehe! Não se arrependerá de ler ;) e obrigado pelo "querida" ahahah :P

      Volte sempre :D

      Excluir
  10. Poxa muito bacana esta história, se for como estou imaginando deve ser daqueles que não conseguimos largar no meio rss eu gosto muito.. parabéns amada
    http://florroxapoemasepoesias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pela minha experiência de leitura, você realmente começa a ler e não quer parar mais eheh :) valeu pelo "mada" ahaha :D

      E obrigado pelo comentário. Volte sempre :D

      Excluir
  11. Oi Fabiano,
    Tenho muita vontade de ler esse livro, o filme eu não assisti e não tenho curiosidade.
    Acredito que o livro terá mais detalhes e será mais bem aproveitado, muita gente falou que parece Jogos Vorazes, se parece ou não pra mim não importa, acho que cada obra vai ter sua individualidade e seu mérito.

    Abraços,
    Coração Leitor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O filme também é muito bom. Claro que perde em detalhes e clareza, né? Os filmes são bem diferentes entre si, mas BR serviu de inspiração para JV. De qualquer forma, nada que atrapalhe não ;)

      Obrigado pela visita! Abç :)

      Excluir
  12. oi tudo bem?
    Eu assisti uns dois episodios e confesso que desisti porque achei muitooooo chato e não dei contar de continuar a assistir.
    bjs

    ResponderExcluir
  13. Oi Andreza, tudo bom?

    Nossa que livro diferente, nao é o que eu costumo ler, mas me interessou bastante... os japoneses tem muita criatividade, notei isso pelos filmes de terror deles rs, vai ser o primeiro livro desse estilo, japonês, que vou ler, valeu a indicação, bjos

    CarolMello.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A cultura japonesa é muito diferente da ocidental, e isso acaba tornando as artes deles bastante pitorescas para nós, tão acostumados ao americanismo. E, sem dúvida, vale a pena conferir esse livro e o filme também. :)

      Excluir
  14. Oi Oii , a premissa me lembrou jogos vorazes rsrsrs' achei bem bacana, acho que o filme e o livro devem
    ser bem bacanas! beijocas
    By Jeeh Sena

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...