Série Vaga-Lume, clássicos dos trintões (e quarentões)


Pois é, como dizia o venerável ex-jogador gremista Jardel, "clássico é clássico e vice-versa". A frase cai como uma luva de boxeador para a Série Vaga-Lume, da Editora Ática, que me parece que anda sendo resgatada de uns tempos pra cá, pelos saudosistas de plantão. Como eu me criei com ela, e aproveitando a deixa da filmagem da obra "O Escaravelho do Diabo", de Lúcia Machado de Almeida, resolvi trazer à baila alguns dos livros mais interessantes da coleção, bem como informações sobre autores prolíficos que colaboraram com a Ática.
Bem, a série conta com mais de 80 obras publicadas, basicamente voltadas para o público infantojuvenil. Nos anos 70 e 80, era comum as escolas trabalharem esse material. Mas, por serem histórias gostosas de ler, de aventuras espaciais, rurais e urbanas, a criançada curtia. Muito diferente de ter que engolir um "Senhora" (José de Alencar) com 13 anos, como aconteceu comigo...

Destas tantas dezenas de obras, algumas se sobressaíram. E vou citar dois autores dos mais conhecidos na época, pela capacidade de contar boas histórias, cheias de suspense e reviravoltas: Marcos Rey e a supracitada Lúcia M. de Almeida.

Para a Vaga-Lume, Marcos Rey (na verdade um pseudônimo de Edmundo Nonato) escreveu alguns dos maiores clássicos da série: O Mistério do Cinco Estrelas, lançado em 1981, e que teria vendido mais de 2,5 milhões de exemplares; Corrida Infernal; Doze Horas de Terror; Enigma na Televisão; O Rapto do Garoto de Ouro (outro grande clássico), entre outros. Curiosamente, Marcos Rey já era um escritor de romances para o público adulto, mas, apesar da ótima qualidade do material, tinha vendagens bem baixas. A Vaga-Lume acabou sendo o seu pulo do gato.

Lúcia Machado de Almeida, por sua vez, escreveu alguns outros livros bem conhecidos do público que estudou nos anos 80: além do citado Escaravelho, grande sucesso, tivemos obras de temática espacial, como Aventuras de Xisto, Xisto e o Pássaro Cósmico e Xisto no Espaço, além d´O Caso da Borboleta Atíria.

Gostaria de mencionar ainda uma autora, Maria José Dupré, que teve apenas duas obras publicadas pela série, mas que alcançaram um estrondoso sucesso. Um deles, Éramos Seis, originalmente lançada em 1943, e relançada pela coleção da Ática três décadas depois. O outro livro é A Ilha Perdida, que supostamente vendeu mais de 2,2 milhões de exemplares (não temos dados que comprovem, mas é certo que as vendas foram altas). Este também não foi escrito originalmente para a série, pois é de 1945, e mais voltado ao público jovem, diferente de Éramos Seis, um romance mais adulto. Interessante citar também que é dela a série do Cachorrinho Samba, que os mais velhos certamente lembrarão, embora não tenha sido publicada na Vaga-Lume.

Infelizmente, os três autores citados são falecidos... mas suas obras, imortais, estão aí, para quem quiser ler ou reler.

Agora, destaco algumas das obras lançadas pela Ática:

O Escaravelho do Diabo (Lúcia Machado de Almeida)


Talvez seja o melhor livro da coleção. A trama é inteligente e muito bem construída. As vítimas, pessoas ruivas naturais, são mortas por um psicopata que as avisa do crime, através do envio de um inseto, o escaravelho, pelo correio. É realmente muito bom, e embora tenha uma linguagem simples, própria para a faixa etária destinada, adultos podem ler e curtir numa boa. A linguagem é simples, mas o enredo não é nada bobo.

O Mistério do Cinco Estrelas (Marcos Rey)


Outro livro de suspense policial. O cadáver de um estrangeiro é encontrado na lavanderia de um hotel. Prato cheio para um trio de jovens detetives, sedentos por sangue, ops, justiça.

Os Passageiros do Futuro (Wilson Rocha)


O primeiro livro de ficção científica de muita gente. Quatro jovens do século XXX voltam ao passado (um deles vai parar em 1987), e ficam presos nele.

Aventuras de Xisto (Lúcia Machado de Almeida)


Fantasia nacional, com batalhas medievais, e que teve algumas sequências.

A Turma da Rua Quinze (Marçal Aquino)


Outro autor de sucesso, Marçal escreve sobre um grupo de amigos que investigam um homem estranho com uma cicatriz no rosto. Os livros de "turma" eram muito populares na época, e quando somos jovens, nos identificamos facilmente com esse tipo de história.

A série fez sucesso por vários fatores, mas vale lembrar que os livros eram baratos, até devido à sua grande tiragem, e isso facilitava a incorporação de seus títulos nas estantes das escolas. A popularização da série se deu principalmente através da adoção pelas escolas.

Bom, não vou me alongar, para o post não ficar grande demais. De qualquer forma, se você é jovem, leia sem medo. A chance de gostar dos livros da série é enorme. Se não é, releia ou indique para seus filhos, sobrinhos, filhos de amigos... é um maravilhoso incentivo à leitura!



Comentários
12 Comentários

12 comentários:

  1. Sou doente por essa coleção!! Passei minha infância/adolescência lendo isso! Sou realmente muito fã! Amei o post!

    Beijão

    albumdeleitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também li muito esses livros quando criança! Adorava. Pena que as novas gerações já não os tenham como referência.

      Bjos :)

      Excluir
  2. Oie, Fabiano!
    Sempre ouço falar dessa coleção, mas não a acompanhei. Tenho só 18 anos, é por isso hahaha dentre os que você postou, fiquei tão curiosa com O Escaravelho do Diabo que vou atrás amanhã. Ainda vende nas livrarias, né?
    Tem post novo aguardando você no MeL!

    Com carinho,
    Celly.

    Me Livrando

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Celly! :)

      Com 18 anos é provável que não sejam muitos os livros da série que te interessariam, mas o Escaravelho sem dúvida vale a pena conferir, assim como os livros do Marcos Rey (não só os publicados pela série, como os romances mais adultos dele, em geral divertidíssimos). Obrigado pelo comentário. Vou conferir teu post! :D

      Excluir
  3. Calma aí Fabiano, estou na casa dos vinte e conheço muito bem esses livros rsrs.
    Comecei minha vida de leitura com eles, precisamente com A mina de ouro, a está altura é difícil escolher um favorito mas os livros do Marcos Rey foram os que mais goste. Um dia terei todos os livros da Vaga-Lume ♥

    Abraços,
    Jéssica Rodrigues
    www.coracaoleitor.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que a série ainda exerça influência entre os mais novos! :D

      abraço, obg pela visita :)

      Excluir
  4. Nossa eu adorava esses livros, a ilha perdida era meu favorito!
    Adorei relembrar um pouco de todas essas histórias.

    http://colecionando-livros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, os meus favoritos eram A Ilha Perdida e Os Passageiros do Futuro rsrs. Obrigado pelo visita! Bjs

      Excluir
  5. Meu marido tinha a coleção quase completa, e numa de nossas mudanças resolvemos doar pra escola que nisso filho estudava na época. Sinto pelo fato de não ter lido todos os livros. Hoje queria te-los de volta. 😢😢

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! De qualquer forma, foi uma ótima ação. Possivelmente esses livros foram lidos por vários alunos, crianças e adolescentes, que também terão a série como referência ;) mas eu bem que queria ter a coleção tb ehehe. Obg pela vista ;)

      Excluir
  6. Ola Fabiano!Nossa, colega não denuncia a nossa idade assim não.rsrsrsr....eu amava essa serie e tenho alguns até hoje, só não sabia que Eramos seis fazia parte dela.amei o post, menos a parte da idade.
    BEIJOSSsss...
    http://sonhosdeleitor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Também todos estes livros na adolescência, a biblioteca da escola era fantástica com amplos janelões com floreiras e eu ali pertinho da janela passava todo e qlq momento livre devorando a biblioteca kkkk ai que gostoso lembrar . bjss e parabéns pelo post
    http://florroxapoemasepoesias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...