Resenha: Uma Vida Para Sempre.

Lendo a sinopse do livro, você, assim como eu, deve ter pensado: "Mais um sobre gente doente?". Ledo engano e grata surpresa! Sim leitor, uma grande e belíssima surpresa tive ao passar as páginas de "Uma Vida Para Sempre.


Uma Vida Para Sempre
Simone Taietti




Editora: Novo Século
Páginas: 352
Edição: 2014

Sinopse: Uma vida para sempre - Ethel diz estar morrendo. Contudo, não afirma isso apenas em razão de sua doença. Talvez a única certeza de nossa existência seja a morte, o fato de que ela chega para todos. Mas nem por isso deixa de ser a maior incógnita da vida.Em um hospital, em meio à dor das histórias dos pacientes, Ethel encontrou amigos. Entre passeios em cemitérios, frequentando velórios e enterros de estranhos, ela tenta preparar a si e aqueles que ama, para o que parece estar ali tão próximo, o fim. Entretanto, não esperava enfrentar algumas surpresas que a fizessem duvidar de tal preparação. As estatísticas ruins, a inexorável passagem do tempo. Onde reside a lógica disso que nos arranca pedaços, da súbita inexistência do que outrora era vívido e pulsante? Um corpo que jaz. Palavras que se perdem. A finitude de tudo o que é tão belo talvez seja a maior dor do mundo.
Uma vida para sempre é um compilado de desejos, pensamentos e dias. Quanto dura o para sempre? Ethel descobriu
.


Ethel Vila Nova, 17 anos, possui uma síndrome que não a permite sentir dores. Imagino que essa informação tenha levado seus pensamentos direto para as alegrias de não sentir dor de cabeça, cólicas, ou qualquer outro doloroso incômodo. Porém, pense nos inúmeros problemas provenientes disto? Nas doenças que seriam assintomáticas, nos acidentes que poderiam ser provocados sem nem ao menos se dar conta deles. Esse é o mundo de Ethel. Cercado de zelosos cuidados super protetores de sua Mãe, Edite. Uma professora que desdobra seu tempo entre o trabalho e os cuidados com a filha, que passa muitas de suas horas no hospital, entre exames e fisioterapias. E é lá que Ethel conhece grandes amigos e também Vitor, um menino um pouco mais velho que luta a anos contra a leucemia e tem um sorriso capaz de criar pontes.  Com esse enredo a autora poderia desenrolar uma história repleta de drama e explorar ao máximo as infelicidades provenientes das doenças dos personagens, mas felizmente não o faz. Magistralmente a autora trabalha o enredo com outro enfoque. Não espere ler longos relatos sobre as experiências da protagonista com sua doença, tão pouco as de Vitor, embora o uso de termos técnicos relacionados à elas sejam frequentemente usados. Simone Taietti conduz o leitor à uma reflexão sobre a morte e a fugacidade da vida. Esse é o tema central do livro.

"É preciso lembrar que a morte geralmente vem desacompanhada de aviso prévio? E, ai? Vão ser apenas planos então?" (p.196)

A narrativa acontece em forma de um diário, logo, em primeira pessoa sob o ponto de vista de Ethel, outro mérito da autora, que ao optar por essa ferramenta de escrita, pode inserir diversas reflexões e também fatos aleatórios, geralmente relacionados à acontecimentos históricos ou notícias reais ressaltando o olhar da personagem sobre eles. Isso enriqueceu a trama de sobremaneira e confesso que para amantes de história como eu, é um deleite encontrar tantas curiosidades. A escrita de Simone Taietii é um caso a parte, bem elaborada, divertida, sensível. Me diz ai leitor. Tem coisa melhor que livro bem escrito? Duvido. Como diz uma querida amiga. "É de aplaudir de pé Igreja" (rsrs). Brincadeiras à parte, fiquei maravilhada já nas primeiras páginas, me imbuí da segurança de que se a história não fosse boa, ao menos eu teria lido um livro com uma excelente narrativa. Prazerosamente informo que as duas expectativas, uma ótima história e uma ótima escrita, foram totalmente correspondidas.

" Acabei de descobrir que a expressão "ok" nos remete à guerra de secessão, que durou de 1861 a 1865, nos Estados Unidos da América. Quando as tropas voltavam para o quartel sem qualquer baixa no batalhão, escreviam em uma grande placa "O Killed", que expressava o fato de que ninguém havia morrido. Daí o uso da expressão "Ok" para significar que tudo está bem. Acho que isso muda um pouco minha interpretação em relação às coisas estarem bem, uma vez que tem apenas a ver com ainda não se estar morto." (p.151)

Os personagens são bem elaborados e não é difícil ser cativado por eles. Ethel e Victor são irônicos, por vezes mordazes. Nada de autocomiseração, e lamentações infindas. Não, ambos lidam com os fatos lhes dados pela vida à sua maneira, embora evidentemente tenha seus momentos de maior inconformidade,  na maior parte a palavra que define a atitude do casal seja:  "resiliência". Ainda que o romance entre os dois seja um dos vértices da trama, ele não é o único. (Mais alguns pontos para autora) Se assim como eu, você se incomoda com histórias tão adocicadas que podem provocar diabetes, ou do tipo que tirando o romance do livro não sobra nada, pode ficar tranquilo. Este não será o caso. A trama aborda o relacionamento entre Ethel e sua mãe super protetora, as dificuldades a cerca da perda de seu pai, a retomada de uma amizade de infância afastada com o tempo, a afinidade da personagem com uma senhora que poderia ser sua avó, sofre de complicações renais, mas tem um namorado, um carro incrível e muita compreensão à tira colo. 

Em alguns momentos questionei a velocidade com que as coisas iam acontecendo entre Victor e Ethel, mas logo me dava conta de que tempo era artigo de luxo na prateleira dos dois, obviamente tudo tendia a ser mais intenso. As cenas de romance do casal são de imensa doçura e leveza, nada é do tipo espetacular e mirabolante, cada uma delas seriam totalmente possíveis, as ações, as reações, as falas, dando ao leitor a sensação de uma história crível. O diálogo entre o casal, vai desde reflexões mais profundas a certa de vida e morte, quanto à brincadeiras divertidas e despreocupadas. Um fator extremamente positivo, pois nada mais chato que um casal extremamente, intelectual, ou apaixonado, ou tenso, ou divertido, o qualquer outro extremo em tempo integral.

Devo ressaltar que esperava um outro final, embora não consiga falar dele sem correr o risco de spoiler, por isso não me alongarei em opinar, apenas direi que consigo compreendê-lo, que pensando sobre o livro posteriormente (sim , é daqueles que te deixam pensando um tempinho)  percebi que era algo para qual estávamos sutilmente sendo guiados. 

Recomendo a leitura sem sombra de dúvidas e declaro aqui que já aguardo o prazer de ler outros livros da autora que com absoluta certeza merece muito sucesso. É maravilhoso ver tais talentos nacionais na literatura. Este ganhou um lugar especial em minha estante.









Comentários
34 Comentários

34 comentários:

  1. É a primeira resenha da obra que leio e devo confessar que fiquei curiosa para ler. Quando li a sinopse pensei a mesma coisa que você, mas é incrível quando achamos um autor que consiga tratar desse tipo de assunto de uma forma diferente. Ótima resenha!

    http://blogquerida.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Larissa.
    Exatamente, acho que dar um novo olhar sobre um tema que tem sido recorrente na literatura foi uma grande sacada. O livro é ótimo, recomendo, principalmente por tada a carga reflexiva que ele carrega.

    ResponderExcluir
  3. Oi Andreza, tudo bem? Nunca tinha ouvido falar do livro, mas definitivamente sua resenha ganhou minha atenção e senti vontade de ler. Gostei de saber que apesar dos personagens sofrerem pelas suas doenças, o livro não se foca apenas nisso, e eles não são aqueles que sofrem com a autopiedade. Aliás, esse livro parece ter tudo na medida certa. Não costumo ler muito livros contados em forma de diário, mas acho que poderia gostar desse, parece ser bem reflexivo, e dessa forma, dá uma proximidade maior do leitor com a história.

    Parabéns pela resenha!!

    Beijinhos,

    Rafaella Lima // Vamos Falar de Livros?

    ResponderExcluir
  4. Que capa de livro, mais fofa *-*
    amoadorei a resenha.

    http://dictomia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oii, tudo bem?
    Tão bom quando os livros nos surpreendem!!!
    Estou louca por esse livro! A capa dele é linda e sua resenha me deixou mais curiosa ainda!
    Bjs

    A. Libri

    ResponderExcluir
  6. Oi Dre, tudo bem?

    Achei a capa do livro super fofa <3. Também gosto quando o autor introduz alguns elementos que vem somar à narrativa. Com tantos elogios ao livro, eu fiquei mega curiosa para realizar a leitura

    beijos
    Kel
    www.porumaboaleitura.com.br

    ResponderExcluir
  7. Oláá
    Desde que ouvi falar no livro pela primeira vez fiquei com vontade de ler, sua resenha me deixou ainda mais curiosa pela leitura, parece ser muito gostosa e adorei os quotes.

    Beijos
    Reality Of Books

    ResponderExcluir
  8. Olá, Não conhecia o livro e nem a autora. Mas gostei do livro pela sua resenha e por ser nacional. Adoro apoiar nossos escritores. E sim, com certeza, lerei. Anotado. Parabéns pelo blog... lindo!

    Beijos...

    http://livrosfilmeseencantos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Olá ,seu blog é lindo.Adorei suas palavras ,e suas resenhas.
    Me bateu uma vontade de ler esse livro.
    Já ganhou uma seguidora.Abços
    Blog by Shirley

    ResponderExcluir
  10. Oi Andreza! Confesso que não esperava isso do livro, sou do tipo que apesar de não querer, julga pela capa (inicialmente pelo menos). Gostei de saber que o livro não é melodramático e nem foca na doença e sim no ser humano por trás dela!
    Adorei sua resenha vou querer conhecer esse livro *-*
    Abraços
    Dezenove Primaveras

    ResponderExcluir
  11. Creio que deva ser um livro bonito. Viver com uma doença do tipo não deve ser fácil... :(
    Acho que deveriam ter colocado outra capa, mas como não li o livro para fazer uma análise melhor, só acho...
    http://poesianaalmaliteraria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Esta capa é muito amor!!!! Só por ela já tenho vontade de ler o livro rs... Sou destas! Adorei sua resenha! Beijos!!!

    ResponderExcluir
  13. Oi, tudo bem?
    Eu já tinha ouvido falar nesse livro e ficado curiosa, pois achei a capa linda e a sinopse bem interessante. Imagino que deve ser muito complicada a vida de Ethel :c Achei bacana a autora nos levar em uma boa reflexão com sua história, imagino que as mensagens do livro devem ser lindas. Gostei de saber que a narrativa é em forma de diário, assim dá para entender melhor o que se passa com a personagem. Enfim, esse livro parece ser incrível e com certeza me agradaria.

    Beijos :*
    Larissa - http://srtabookaholic.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Não conhecia o livro, mas gostei da capa e do título. Claro que a resenha ajudou ainda mais para meu interesse no livro. Também tenho o costume de ficar pensando no livro depois que termino a leitura, e normalmente mesmo querendo outro final, até entendo a decisão do autor.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  15. Oii nao conhecia o livro, mas achei a capa muito fofa e o titulo tambem. Gostei muito da sua resenha e me despertou a curiosidade, quero saber mais sobre o livro e já anotei o nome

    beijos
    http://livrosetalgroup.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  16. Olá, amei sua resenha. Fico muito feliz que tenha gostado do livro. Eu li e simplesmente amei. Com certeza é um dos melhores livros lidos com certeza. É uma leitura que realmente nos faz pensar por um tempo. Muito recomendado <3.
    Beijos, sucesso.

    ResponderExcluir
  17. Não sei... agora tudo nesse sentido de casal adolescente com dias contados para morrer me lembra A Culpa é das Estrelas e não tenho muito saco pra esse tipo de livro.
    Porém, uma coisa é certa, sua resenha foi TÃO boa que quase me convenceu a ler o livro, por mais que eu não goste do gênero. hehehehe
    Parabéns! ;)

    Infinitos Livros

    ResponderExcluir
  18. Não consegui parar de pensar que é mais um livro sobre jovens doentes. Sua resenha ficou maravilhosa. Consegui ver o livro por seus olhos, mas sou birrenta. Acho que para ler esse livro tenho que esperar passar essa fase: doença na literatura.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  19. Oi, Andreza. Não me lembro desse livro no catálogo da editora. Gostei da premissa e da novidade de trazer essa doença assintomática. Eu pensei logo em como saber que se está doente se não sente nada! Gosto de sick-lit, então creio que eu poderia gostar desse livro.
    Beijinhos!
    Giulia - www.prazermechamolivro.com

    ResponderExcluir
  20. Oi, eu não conhecia o livro, nunca tinha visto.
    Mas, a sua resenha me encheu de vontade de lê-lo.
    Achei a capa muito cute *__*
    E a história super interessante.
    Beijos
    ♫ Conversas de Alcova ♫

    ResponderExcluir
  21. Oi, Andreza.
    Primeira vez que leio sobre o livro. Adorei a temática, sempre tive muita curiosidade quanto à pessoas que de fato têm essa síndrome. Quando era menor e mais ingenua, até desejei tê-la também... Só hoje imagino o quanto seria terrível. Vou abrir uma exceção na minha zona de conforto e ler Uma Vida Para Sempre. Sua resenha convenceu, a sinopse é interessante e a capa, linda.
    Com carinho,
    Celly.

    Me Livrando

    ResponderExcluir
  22. Oi Andreza!
    Fiquei apaixonado pela sua resenha! Como não descobri esse livro antes. Adorei a sinopse, os personagens, a forma peculiar da escritora conduzir a estória. Incrível.
    Abraços

    www.estantejovem.com.br

    ResponderExcluir
  23. Puxa, adorei sua resenha, muito bem escrita e bem expositiva. Firmei parceria com a autora também e, depois de ler sua resenha, apenas me deu ainda mais vontade de começar logo esse livro! *-* Parece incrível mesmo! Me lembrou um pouco A Culpa é das Estrelas, que não foca totalmente a doença dos dois protagonistas, mas a relação que eles têm com os outros personagens.

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  24. Oi, Andreza. Gostei muito da sua resenha. Não conhecia a obra, mas adorei a capa e achei a sinopse bastante interessante. Apesar disso, fiquei mesmo com a sensação de 'mais um livro sobre gente doente?' haha. Legal saber que o livro é muito mais do que isso e surpreende o leitor. A história deve ser linda. Beijos!

    www.viagensdepapel.com

    ResponderExcluir
  25. Poxa, que bacana isso tudo! Muito legal um livro nacional ser tão legal, eu adorei a sipnose, estou muito curiosa para ler!

    ResponderExcluir
  26. Olá Andreza, não conhecia o livro, mas gostei dele fugir do clichê da historia do protagonista que sofre com sua doença e passa o livro todo no drama, pelo menos pareceu fugir pela sua resenha, espero poder lê-lo algum dia *--*

    Visite "Meu Mundo, Meu Estilo"

    ResponderExcluir
  27. Sim, confesso, logo pensei na felicidade de não ter cólica... mas realmente deve ser algo complicado demais, não me espanta que a mãe seja superprotetora, afinal, a dor é realmente um alerta de que algo não vai bem. Amo narrativas em forma de diário e personagens cativantes, gostei muito da premissa e adoraria ler o livro!

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  28. Olá... Andreza... tudo bem??

    A história parece ser boa e bem bonita... porém não me atraiu muito pela leitura... eu torço muito para que nossa literatura cresça porque temos muitos autores bons por ai.... e desejo muito sucesso a autora... que bom que o livro te encantou e conseguiu te prender... isso é um sentimento muito bom e acredito que o autor também deve ficar bem feliz e satisfeito..... a história parece ser diferente de muitas que já vi por ai ainda mais pela doença da personagem, só não gostei muito do nome, até você dizer que era uma menina... achei que fosse um menino rs. Xero!

    ResponderExcluir
  29. Olá,

    Com toda certeza, concordo com você quando fala que não tem coisa melhor do que um livro bem escrito e pelo visto você encontrou um que faça jus a isso. Diários são sempre leituras dinamicas, me faz ler bem mais rápido o livro. Só não gostei muito dele abordar o tema doença e morte, mas espero me surpreender quando ler o livro.

    Att,
    decaranasletras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  30. Oi Andreza, tudo bem?
    Eu tinha conhecido esse livro através do meu feed e também da sua divulgação da parceria aqui no blog (rs), a capa desse livro é muito bonita e só faço elogios para a nossa literatura nacional ♥ A narrativa me conquistou demais, o livro parece ter sido bem escrito através dos seus comentários e a vivência da personagem me interessou pra caramba! Tudo o que você falou me chamou muita atenção e eu adorei completamente a sua opinião e ele mostra uma grande mensagem para o leitor, adorei demais, quero muito ler agora haha (:

    Beijos,
    Luan || http://umgrandevicioliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  31. Olá
    Não conhecia o livro, mas não leria.
    Ando fugindo desse gênero e tentando focar em outros.
    Mas parabéns pela resenha

    ResponderExcluir
  32. Olá tudo bem?
    Não conhecia o livro, mas me pareceu ser um sick-lit muito bom. Eu achei a sinopse muito boa, muito boa mesmo, me deu aquela impressão de que esse é um livro que nos faz pensar bastante e eu gosto muito disso.
    Abraços, Carlos.

    http://blogchuvadeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  33. Oi Andressa,

    Achei o máximo a autora trazer um outro lado da vida das pessoas que sofrem com a incerteza de estar viva, é realmente surpreendente ela não ter abordado especificamente as doenças e sim a possibilidade de vida e o eterno dilema vida e morte que caminham tão lado a lado, apesar de negarmos, então, por estas e outras a autora já me ganhou através da sua resenha. Outro fato que me cativa é a possibilidade do aprendizado e de me levar a reflexão.

    Beijos
    Tânia Bueno
    www.facesdaleiturataniabueno.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...